BUSCAR PRODUTO:  
imagens religiosas
  Lançamentos
  Católicos
  Esotéricos
  Religiões Afro-Brasileiras
  • Africanos
  • Baianos(as)
  • Botons de orixás
  • Caboclas
  • Caboclos
  • Candomblé
  • Ciganas
  • Ciganos
  • Crânios
  • Entidades Mirins
  • Erês
  • Espiritismo
  • Exus
  • Iemanjá
  • Ogum
  • Orixás
  • Pembas
  • Pomba Gira
  • Ponto
  • Povo do Mar
  • Pretas Velhas
  • Pretos Velhos
  •   Decoração
      Modelagens Especiais
      Restaurações
      Tipos de Acabamentos
      Acessórios
      Calendário dos Santos
      Eventos / Notícias
      História dos Santos
       
     

    Sete Saias, Baiana

    Sete Saias, Baiana
    Código Altura Cod. Preço Acabamento  
    449 30 cm AJ Barroca/ Padrão/ Patinado/ Perolado/ Resina/ Rica/ Romana/ Romana Rica Ver +
    473 60 cm BC Barroca/ Padrão/ Patinado/ Perolado/ Resina/ Rica/ Romana/ Romana Rica Ver +
    538 120 cm CG Barroca/ Padrão/ Patinado/ Perolado/ Resina/ Rica/ Romana/ Romana Rica Ver +

     

    A Baiana Sete Saias, nasceu no norte da Bahia num vilarejo chamado Pilão Furado.

    era de uma família muito pobre, até que um dia sua mãe, Baiana Dolores, vendeu sua filha para uma dona de cabaré, Dona Carlita, por alguns fardos de arroz, feijão, camarão seco e banha de porco, para alimentar seus outros filhos, Maria Baiana Sete Saias, Maria Saias, Zé Sete Facão, Baiana Sete Coco.

    Sua mãe chorava muito, pois Sete Saias era a mais velha dos filhos a quem ajudava muito nos trabalhos do lar e na pesca de camarão. Ela se despediu da família e foi morar com a dona do cabaré Carlita.
    Sete Saias conta que não era mulher de cabaré, mas sim ajudava a dona Carlita na cozinha, e com os fregueses. Fazia muitas comidas como bobó, acarajé, vatapá, e outras iguarias, até que certo dia um rapaz moreno claro olhos castanhos cabelos cacheados um belo carsudo, começou a freqüentar o cabaré. Quando Baiana Sete Saias avistou ele, foi paixão na certa, ela nunca tinha namorado. A dona do cabaré tinha muito ciúmes dela com os clientes, por ela ser muito bonita, morena com cabelos até as costas, olhos castanhos claros sabia, educada, recatada e não aceitava nem um namoro da baiana, mas eles foram se vendo cada vês mais. Ele muito apaixonado pediu sua mão em namoro para dona Carlita. Ela disse não “nem pensar tu tá doido cabra da peste” e proibiu Baiana Sete Saias, de servir o belo rapaz apaixonado.

    Eles não se agüentavam mais de saudades quando marcaram um encontro através de sua amiga Baiana Flor. Ela escreveu um bilhete para Baiana Sete Saias e entregou ao rapaz ela disse “meu amor não consigo ficar sem você quero fugir, vamos?” Então ele respondeu “vamos amorzinho hoje de madrugada”. Naquela noite ela se deitou para dormir, mas não dormiu então quando todos foram dormir, sua amiga disse “vamos seu amor te esperas”, Baiana Sete Saias saiu rapidamente. Lá fora com um burro na carroça esperava seu amor João do Cangaço, eles saíram em disparada com o burro, mas depois de mais ou menos 30 quilômetros, dona Carlita veio atrás de cavalo correndo em disparada chamando Baiana Sete Saias aos gritos. Ela olhava para trás e dizia “vamos ela esta perto de nós vamos, vamos!”

    Em desespero eles não viram um brejo muito fundo e caíram lá. Num piscar de olhos suas vidas se foram por amor, sua dona Carlita chegou até o brejo e não avistou nada. Gritava, chorava e dizia “agora eu te dou sua liberdade”.
    Baiana Sete Saias morreu com 27 anos, virgem.

    Hoje, na umbanda em evolução fazer a caridade entre o bem e o mal.

    Te amo minha mãe Baiana Sete Saias, seus filhos geralmente tem medo de acidente na estrada sem saber o porque deste medo.

    Ela que comtou esta estoria para minha mãe e minha mãe anotou tudo.


    Texto de: Geisa Cristina Almeida

     

    :: Sete Saias, Baiana - Imagens Bahia ::  
    Calendário religioso dos santos


    Hóstias e santos: Mundo S/A mostra a indústria dos produtos ligados à fé



    Imagens Bahia Ltda. - Todos os direitos reservados All rights reserved - produzido por: Sarro Comunicação