BUSCAR PRODUTO:  
imagens religiosas
  Lançamentos
  Católicos
  Esotéricos
  Religiões Afro-Brasileiras
  • Africanos
  • Baianos(as)
  • Botons de orixás
  • Caboclas
  • Caboclos
  • Candomblé
  • Ciganas
  • Ciganos
  • Crânios
  • Entidades Mirins
  • Erês
  • Espiritismo
  • Exus
  • Iemanjá
  • Ogum
  • Orixás
  • Pembas
  • Pomba Gira
  • Ponto
  • Povo do Mar
  • Pretas Velhas
  • Pretos Velhos
  •   Decoração
      Modelagens Especiais
      Restaurações
      Tipos de Acabamentos
      Acessórios
      Calendário dos Santos
      Eventos / Notícias
      História dos Santos
       
     

    Zé Pelintra

    Zé Pelintra

    Zé Pelintra uma entidade muito divertida e altamente procurada para tirar alguém de uma enrascada ou perigo. Conta-se que Zé Pelintra (José Emerenciano) nasceu em Pernambuco, era filho de uma escrava forra com seu ex-dono, teve algumas oportunidades na vida. Trabalhou em serviços de gabinete, mas não suportava a rotina. Estudou, pouco, pois não tinha paciência para isso. Gostava mesmo era de farra, bebida e mulheres, não uma ou duas, mas muitas. Houve uma época em que estava tão encrencado em sua cidade natal que teve que fugir e tentar novos ares. Foi assim que Emerenciano surgiu na Cidade Maravilhosa. Sempre fiel aos seus princípios, está claro que o lugar escolhido havia de ser a Lapa, reduto dos marginais e mulheres de vida fácil na época. Em pouco tempo passou a viver do dinheiro arrecadado por suas “meninas", que apaixonadas pela bela estampa do negro, dividiam o pouco que ganhavam com o suor de seus corpos. Não foram poucas as vezes que Emerenciano teve que enfrentar marginais em defesa daquelas que lhe davam o pão de cada dia. E que defesa! Era impiedoso com quem ousasse atravessar seu caminho. Carregava sempre consigo um punhal de cabo de osso, que dizia ser seu amuleto, e com ele rasgara muita carne de bandido atrevido, como gostava de dizer entre gargalhadas, quando nas mesas dos botecos de sua preferência. Bebia muito (Zé Pelintra), adorava o álcool, desde a cachaça mais humilde até o isque mais requintado. E em diversas ocasiões suas meninas o arrastaram praticamente inconsciente para o quarto de uma delas. Contudo, era feliz, ou dizia que era, o que dá quase no mesmo. Até que conheceu Amparo, mulher do sargento Savério. Era a visão mais linda que tivera em sua existência. A bela loura de olhos claros deixava-o em êxtase apenas por passar em sua frente. Resolveu mudar de vida e partiu para a conquista da deusa loura, como costumava chamá-la. Parou de beber, em demasia, claro! Não era homem também de ser afrouxado por ninguém, e uns golezinhos aqui e ali não faziam mal a ninguém. Dispensou duas de suas meninas, precisava ficar com pelo menos uma, o dinheiro tinha que entrar, não é? Julgava-se então o homem perfeito para a bela Amparo. Começou então a cercar a mulher, que jamais lhe lançara um olhar. Aos amigos dizia que ambos estavam apaixonados e já tinha tudo preparado para levá-la para Pernambuco, onde viveriam de amor. Aos poucos a história foi correndo, apostas se fizeram, uns garantiam que Emerenciano, porreta como era, ia conseguir seu intento. Outros duvidavam Amparo nunca demonstrara nenhuma intimidade por menor que fosse que justificasse a fanfarronice do homem. O pior tinha que acontecer, cedo ou tarde. O Sargento foi informado pela mulher da insistente pressão a que estava submetida. Disposto a defender a honra da esposa marcou um encontro com o rival. Emerenciano ria, enquanto dizia aos amigos: - É claro que vou, ele quer me dar à mulher? Eu aceito! Vou aqui com meu amigo... - E mostrava seu punhal para quem quisesse ver. Na noite marcada vestiu-se com seu melhor terno e dirigiu-se ao botequim onde aconteceria a conversa. Pediu uísque, não era noite para cachaça, e começou a bebericar mansamente. Confiava em seu taco e muito mais em seu punhal. Se fosse briga o que ele queria, ia ter. Ao esvaziar o copo ouviu um grito atrás de si: - Safado! - Levantou-se rapidamente e virou-se para o chamado. O tiro foi certeiro. O rosto de Emerenciano foi destroçado e seu corpo caiu num baque surdo. Recebido no astral por espíritos em missão evolutiva, logo se mostrou arrependido de seus atos e tomou seu lugar junto à falange de Zé Pelintra. Com a história tão parecida com a do mestre em questão, outra linha não lhe seria adequada. Hoje, trabalhador nos terreiros na qualidade de Zé Pelintra do Cabo, diverte e orienta com firmeza a quem o procura. Não perdeu, porém a picardia dos tempos de José Emerenciano. Sarava Seu Zé Pelintra! Tipos de Malandro: Além do Zé Pelintra, há espíritos (entidades) mentores na linha de Umbanda e também baixa em pessoas ligadas ao Candomblé, como ele, também conhecidos como Antônio Pelintra, Maria Pelintra, João Pelintra, Joana Pelintra, Mané Pelintra e Rosa Pelintra. Mas ainda, há suas qualidades de Zé Pelintras viradas na esquerda, que ganham atributos específicos da vida do Seu Zé, como Seu Zé Malandrinho, Seu Malandro, Malandro das Almas, Zé da Brilhantina, Malandro da Madrugada, Zé Malandro, Zé Pretinho, Zé da Navalha, Zé do Morro, e por aí vai. Só vale ressaltar que os Malandros não são exus, embora venham na Linha de Esquerda. Ao contrário dos Exus que estão nas encruzilhadas, encontramos os malandros em bares, subidas de morros, festas e muito mais. Agrados de Zé Pelintra Comida: carne seca com farofa ou escondidinho de macaxera, que é o mesmo que mandioca. (Na esquerda, acrescentar pimenta vermelha) Bebida: Cerveja clara bem gelada Locais de vibração: Subida de Morros, Cemitérios, bares, zonas portuárias, áreas boêmias Cor de Zé Pelintra: Vermelho e Branco ou Preto e Branco, ou ainda somente o Preto Texto de Luiza Fernanda, de Caçapava, SP

    Código Altura Cod. Preço Acabamento  
    281 20 W Barroca/ Padrão/ Patinado/ Perolado/ Resina/ Rica/ Romana/ Romana Rica Ver +
    911 30 AG Barroca/ Padrão/ Patinado/ Perolado/ Resina/ Rica/ Romana/ Romana Rica Ver +
    168 40 AJ Barroca/ Padrão/ Patinado/ Perolado/ Resina/ Rica/ Romana Ver +
    230 60 BC Barroca/ Padrão/ Patinado/ Perolado/ Resina/ Rica/ Romana/ Romana Rica Ver +
    181 80 BR Barroca/ Padrão/ Patinado/ Perolado/ Resina/ Rica/ Romana/ Romana Rica Ver +
    342 120 CF Barroca/ Padrão/ Patinado/ Perolado/ Resina/ Rica/ Romana/ Romana Rica Ver +
    275 160 CQ Barroca/ Padrão/ Patinado/ Perolado/ Resina/ Rica/ Romana/ Romana Rica Ver +
    922 180 CX Barroca/ Padrão/ Patinado/ Perolado/ Resina/ Rica/ Romana/ Romana Rica Ver +
    1139 10 P Barroca/ Padrão/ Patinado/ Perolado/ Resina/ Rica/ Romana/ Romana Rica Ver +
    :: Zé Pelintra - Imagens Bahia ::  
    Calendário religioso dos santos
    Hoje é dia de:
    Pio, Padre


    Hóstias e santos: Mundo S/A mostra a indústria dos produtos ligados à fé



    Bookmark and Share

    Imagens Bahia Ltda. - Todos os direitos reservados All rights reserved - produzido por: Sarro Comunicação